Publicado em

Por um Futuro Mais Verde

Tempo de Leitura: 4 minutos

A alguns anos atras, o consumo de eletrônicos era muito menor do que hoje em dia, e não se tinha problemas com o descarte desses elementos que são de difícil decomposição na natureza (não biodegradáveis) e muitas vezes são extremamente prejudiciais e tóxicos a vida, neste artigo vamos expor boas práticas para se livrar do lixo eletrônico que acumulamos a cada dia.

Com o aumento de consumo de aparelhos eletrônicos portáteis em geral, o descarte correto de pilhas, baterias e dos próprios aparelho se tornou um enorme problema ambiental. Aliado a isso, uma maior conscientização de toda a população e a preocupação cada dia maior com o meio ambiente, fez com que este tema entrasse no foco das discussões de boas práticas e de sustentabilidade, se tornando um dos principais temas entre as grandes empresas produtoras de eletrônicos e tecnologia. Estes produtos vilões da natureza, porém, cada dia mais indispensáveis a nossa vida em sociedade, representam risco a saúde da população e do planeta, quando são descartados de forma incorreta, e vamos tentar apresentar boas práticas no descarte desses produtos.

No Brasil, são produzidas mais de 1,2 Bilhões de pilhas e de 400 Milhões de baterias para celular por ano, e somente 2% desse total são reciclados, e a grande maioria é descartada em lixo comum, o que leva a natureza uma enorme quantidade de metais nocivos a saúde como o mercúrio, chumbo, cadmio, lítio, manganês e cobre. A falta de reciclagem se dá pelo fato da falta de consciência por parte do consumidor, pela falta de programas de coleta seletiva por parte das autoridades. Apesar de existirem leis sobre o descarte que obrigam os fabricantes a darem destino correto, e terem espaços nos pontos de venda para a coleta de pilhas e baterias, a falta de informação e fiscalização abre espaço para que o consumidor não dê o destino adequado e abre precedentes para que a lei não seja cumprida.

Em uma tentativa de minimizar o problema, uma resolução exige que pilhas e baterias tenham uma quantidade mínima desses produtos poluidores, o que habilitaria que elas fossem descartadas em lixo comum, porém, o contrabando de pilhas, baterias e similares que são fabricadas fora dos padrões e a falta de manipulação dos insumos recebidos nos aterros sanitários causa um grande impacto ambiental, e um número muito baixo de reciclagem destes produtos.

Apesar de estarmos longe de uma solução para o problema, algumas ações de ONG´s visam conscientizar e apresentar soluções para a coleta de eletrônicos, pilhas e baterias e dar destino correto a cada uma das partes do produto, minimizando ou zerando o impacto ambiental causado pelo descarte irregular. A maioria das ações ocorre em empresas privadas e prédios particulares, pois o governo ainda não incentiva este tipo de ação.

As ações individuais são muito simples, basta levar suas pilhas, baterias e aparelhos usados ou quebrados, para um ponto de coleta que vai dar o descarte correto, atualmente muitas empresas estão abrindo espaços para o descarte, como supermercados, farmácias e prédios com grande circulação de pessoas. As ações coletivas dependem do governo e são em primeiro lugar conscientizar a população através da mídia sobre os impactos e como deve ser feito o descarte correto, ampliar a coleta seletiva de lixo e as ações de reciclagem, pois ainda são poucos locais de descarte, e o custo de transporte para que se amplie esses pontos é um entrave pois o acondicionamento e transporte correto envolvem grandes dificuldades. Já temos por parte dos fabricantes e importadores, desse tipo de produto, ações que envolvem a colocação de pontos de coleta dentro dos pontos de venda e temos a esperança que em breve tenhamos números como os de grandes potências mundiais onde 85% dos produtos são reciclados e mais de 98% são descartados de maneira correta.

COMO ADOTAR UM COLETOR, OU FAZER O DESCARTE CORRETO

Qualquer empresa que venda pilhas, baterias ou aparelhos eletrônicos deve ter em seu estabelecimento um coletor para receber as peças descartadas. Na cidade de são paulo, a ONG Milênio Verde fornece os coletores e dá o treinamento para a equipe, recolhe mensalmente os resíduos dando o destino corretos além de manter um cadastro com todos os endereços onde pode ser feito o descarte, e de aceitar pelos correios produtos para serem descartados de maneira sustentável. Eles podem ser encontrados através do site http://ongmilenioverde.blogspot.com.br

Outro caminho, é através da http://abinee.org.br que mantém o programa ABINEE RECEBE PILHA que mostra quais são os fabricantes que dão destino correto a seus produtos, localizar pontos de coleta e receber cartazes para a indicação e se tornar um lugar credenciado a receber pilhas e baterias usadas.

Comentários