Publicado em

Tomar Banho – Uma fonte de relaxamento e bem estar.

Tempo de Leitura: 6 minutos

Quem nunca ouviu alguém dizer, vou tomar um banho para relaxar? E isso é a mais pura verdade, um banho na temperatura certa, e na hora certa é um ótimo relaxante, faz bem para a saúde, e de quebra, melhora seu humor e pode ser cura para um monte de pequenas dores, então, siga nossas dicas e veja como transformar seu tempo no banheiro em uma fonte de relaxamento e bem estar. Para nós, seres humanos, adotar bons hábitos de higiene é uma das medidas necessárias para viver e conviver com outras pessoas em sociedade, e dentre estes hábitos, o banho é um dos principais, desde a idade média, alguns povos tomam banho em grupos, para socializar e relaxar.

A História do Banho, através dos tempos

Os primeiros registros históricos do banho vêm do tempo do Egito Antigo. Naquela época o povo passava muito tempo tomando banhos com óleos perfumados. A higiene e os banhos eram tão comuns e praticamente eventos sociais na Grécia e na Roma Antiga, que havia “banhos públicos”, onde aconteciam discussões e decisões políticas e sociais. Romanos e Árabes haviam trazido para a península práticas que, em Portugal, iriam perdurar mesmo na Idade Média. Banhar o corpo, porém, não implicava então um estrito conceito de limpeza. Na Grécia, o banho era uma extensão necessária da prática de ginástica: um banho revigorante, frio e breve. Em Roma e no Islão estava implícita a ideia de repouso e de convívio: uma prática social, um ritual simbólico.

Na Idade Média, prevaleceram as idéias religiosas, levadas ao exagero, que consideravam saunas locais de pecado, porque as pessoas viam umas os corpos das outras. Os banhos foram então proibidos por considerarem que a água “amolecia” a alma. Acreditava-se inclusive que a água quente dilatava os poros e favorecia a entrada de doenças. Esse tipo de crença foi responsável pelas doenças que assolaram a Idade Média, como a peste, que dizimou populações inteiras. A moda na época ganhou força com o uso permanente de chapéus e perucas, para disfarçar os piolhos. Como acreditava-se que a pele do rosto podia se desgastar, não se lavava o rosto e para esconder qualquer tipo de sujeira usava-se maquiagem. Para disfarçar o cheiro usava-se perfumes.

Durante as Descobertas, os europeus eram vistos pelos nativos como povos “mal-cheirosos e porcos”. O Oriente, diferente do Ocidente, manteve nesse período os hábitos saudáveis de limpeza e higiene dos povos antigos. No século XVII, os banhos ainda eram vistos como perigosos e desaconselhados a pessoas doentes. Existem vários exemplos de como a nobreza lidava com a higiene: o rei francês Luís XIV tomou banho apenas duas vezes na vida, quando nasceu e quando casou. O príncipe Felipe II de Portugal lavou as pernas pela primeira vez aos sete anos.

No século XIX começa a mudar os conceitos de higiene com as descobertas de Pasteur (1822-1895). Os hospitais e outros locais de contato com doenças começaram a ser limpos regularmente. A enfermeira inglesa Florence Nightingale (1820-1910) também contribuiu com empenho e ação ao organizar hospitais e aplicar noções de higiene básica a locais e pessoas. E no início do Século XX a desinfecção e os banhos diários para os médicos e a lavagem das mão antes e depois de manipular cada doente passou a ser obrigatória.

Porque devemos Tomar Banho?

A pele, é o maior órgão do corpo humano, e funciona como uma barreira natural contra a entrada de micro-organismos. Contendo diversas bactérias comensais que nos protegem a pele contra a entrada de outros seres vivos, causadores de doenças. Entretanto, quando a proliferação destas primeiras bactérias é acentuada (ou quando estas são drasticamente eliminadas), a pele pode ser danificada, permitindo a infestação, ou mesmo a infecção, por outros organismos. A principal causa desta superpopulação é a alteração do pH da pele, o Suor, a oleosidade excessiva e células mortas, além de poluentes, restos de comida e sujeiras em geral, estes são alguns dos fatores que propiciam esta alteração. E o mau cheiro é um indicador de que tais mudanças estão ocorrendo.

Assim, além de propiciar ao indivíduo um momento de conforto e reenergização, o banho permite com que estes itens, acumulados durante o dia e durante a noite, sejam removidos, juntamente com algumas bactérias comensais, promovendo o equilíbrio de sua população. Dessa forma, estes momentos diários evitam a ocorrência de determinados desconfortos, como assaduras, micoses, piolhos e sarnas e de outras doenças ou mesmo alergias, proporcionando também um aroma agradável para sua pele. Além disso, o banho desobstruí os poros, permitindo que a pele respire adequadamente e evita problemas relacionados ao convívio social, já que pessoas cuja higiene pessoal deixa a desejar tendem a ser excluídas do convívio do grupo.

Quais produtos devo utilizar, e qual a temperatura ideal?

Para o banho, água e sabonete são essenciais. A primeira retira as partículas mais fáceis de serem levadas, e permite que o sabonete seja dissolvido de forma mais eficaz, formando espuma. Este interage com os componentes que não são solúveis em água, facilitando sua eliminação. Juntamente com a esponja (preferencialmente vegetal, para não danificar a pele), sujeiras mais resistentes são removidas, e o tecido cutâneo, quando é massageado melhora a circulação sanguínea.

A temperatura da água ideal é a média, aquela que se encher-mos um balde conseguimos ficar dentro sem sentir frio, e sem sentir necessidade de sair imediatamente, a temperatura ideal é em torno de 36 a 39 graus, banhos mais quentes podem matar bactérias benéficas para a saúde e banhos mais frios podem causar doenças pois o corpo tende a querer equilibrar a temperatura, exigindo mais do sistema respiratório e do sistema cardio-vascular podendo causar câimbras e outros problemas musculares, e mesmo resfriados e nevralgias.

Para os cabelos, o sabonete pode ser usado, porém, no mercado de produtos para higiene, temos uma ampla variedade de shampoos próprios para determinados tipos de cabelo, que podem ser usados conforme a indicação, porém, é bom lembrar que devemos lavar os cabelos e o couro cabeludo no máximo 1 vez ao dia, pois ele demora a secar totalmente e a umidade pode fazer com que bactérias nocivas e fungos se proliferem exageradamente, causando queda de cabelo e não permitindo um crescimento saudável dos fios.

Prefira o uso de esponjas naturais, como as buchas, e só as utilize em lugares onde exista uma concentração de bactérias, ou, esporadicamente para esfoliar a pele, o uso constante pode eliminar bactérias comensais que são benéficas, causando ressecamento da pele e outros problemas.

O Tempo de banho ideal é de 5 minutos, ou menos, nada de ficar muito tempo com a água correndo sobre você, além do desperdício, esse hábito pode causar problemas de pele, principalmente se a temperatura do banho não for mediana, matando boas bactérias e deixando a pele muito sensível, já que a água, ajuda a dissolver a pele e a abrir os poros, podendo causar rachaduras na pele que são pontos de entrada de fungos e bactérias.

Para usar o sabonete, não o esfregue diretamente na pele, faça espuma na mão e utilize as mão para esfregar o resto do corpo.

Qual a quantidade ideal de banhos por dia?

Alguns estudos, apontam que no Brasil, devido a nossas condições climáticas, costumes e alimentação, devemos tomar pelo menos 1 banho por dia, utilizando sabonete, e lavando o corpo totalmente, incluindo os cabelos. E no máximo outros 2 banhos, sem uso do sabonete no corpo todo, e sem molhar o couro cabeludo.

O Couro cabeludo, dependendo do comprimento e do tipo de cabelo demora até 24 horas para secar totalmente, e o excesso de umidade faz com que fungos e bactérias nocivos se proliferem juntamente com os bons, além de destruir a camada oleosa que protege os fios e os faz crescer fortes e saudáveis.

Especialistas indicam que, para evitar a destruição das bactérias comensais e da camada lipídica protetora da pele, o sabonete deve ser usado apenas uma vez ao dia em todo o corpo, utilizando-o nos outros banhos apenas em regiões mais propensas à proliferação exagerada de bactérias ruins, como as axilas, genitais, glúteos, pés e dobras do corpo.

Vale também ressaltar que, apesar de extremamente prazeroso, o desperdício de água afeta a saúde do seu bolso e do planeta!

Comentários